Opinião | O que deu errado no novo "A Múmia" ?




Qualquer um que tenha um mínimo de conhecimento a respeito dos monstros do estúdio Universal ficará decepcionado com esse novo filme da Múmia que, sequer chega aos pés do filme de 1999 (que, aliás, já era um reboot). Mas, o que poderia dar errado em um filme envolvendo Tom Cruise (o maior astro de Hollywood) e um dos maiores monstros da Universal?

Bora ler a sinopse do filme:

Na Mesopotâmia, séculos atrás, Ahmanet (Sofia Boutella) tem seus planos interrompidos justamente quando está prestes a invocar Set, o deus da morte, de forma que juntos possam governar o mundo.  Mumificada, ela é aprisionada dentro de uma tumba. Nos dias atuais, o local é descoberto por acidente por Nick Morton (Tom Cruise) e Chris Vail (Jake Johnson), saqueadores de artefatos antigos que estavam na região em busca de raridades. Ao lado da pesquisadora Jenny Halsey (Annabelle Wallis), eles investigam a tumba recém-descoberta e, acidentalmente, despertam Ahmanet. Ela logo elege Nick como seu escolhido e, a partir de então, busca a adaga de Set para que possa invocá-lo no corpo do saqueador.

Com uma (cof-cof-cof) sinopse dessas, um grande astro no elenco, o que poderia dar errado?


Seria o diretor? Bom... Embora seja um ótimo roteirista, este é, apenas, o segundo filme de Alex Kurtzman como diretor, o primeiro foi ‘Bem Vindo à Vida’ de 2012. Kurtzman foi um dos responsáveis pela reinvenção de franquias como Star Trek (ótimos filmes) e Transformers (o primeiro é o melhor). O filme marca o lançamento do tal “Dark Universe”, algo ao estilo da Marvel. Mas, o problema é que, mesmo sendo um roteirista brilhante, Kurtzman não é um diretor tão bom quanto, digamos, um Jon Favreau que ousa em seus filmes, ou um Joss Whedon que sabe realizar boas interações com os personagens. Mas, a culpa é mesmo do diretor? 



No caso de “A Múmia”, NÃO. Após o lançamento do filme (e seu fracasso) a produção chegou a dar declarações acerca das intromissões de Cruise no set de filmagens e na pós-produção do filme. Uma faceta já conhecida do astro, Cruise é o produtor de seus filmes e costuma tirar a autoridade de alguns diretores no set. Parte da reclamação de Alex Kurtzman, é que o astro exigiu mais tempo de tela, com isso, o roteiro foi mudado inúmeras vezes e as participações de alguns personagens foram diminuídas, prejudicando o desenvolvimento dos mesmos. Prova disso é a participação do Dr.Jekyll no filme, algo completamente fora de nexo e um grande desperdício já que temos o brilhante Russell Crowe dando vida ao Doutor. Isso para citarmos um exemplo.

Russell Crowe como Dr. Jekyll


Kurtzman se dá bem nas cenas de ação, é nelas que vemos o talento do diretor como na cena da queda do avião ou a correria nas ruas de Londres. Porém, é no centro desta tempestade de areia irritante para os olhos, é que o filme derrapa, ele não sabe o que é. Se é um reboot ou uma continuação, uma comédia ou um terror, um filme de ação ou aventura. Durante as entrevistas de lançamento, o filme foi vendido como um “reboot”, após a estreia, fãs do original notaram algo bem familiar do filme de 1999, o livro de Amon-rá. Poucos dias depois, os produtores disseram que o longa de 99 está no cânone da nova franquia. Ou seja, estavam totalmente perdidos no projeto e, isso reflete diretamente nas confusões no set de filmagens.



Talvez, se Cruise deixasse o diretor mais a vontade, o resultado fosse outro. Prova disso, são os poucos filmes que darei como exemplo: "Vanilla Sky" , "Jerry Maguire - A grande virada" ,  "Minority report - A nova lei" , "Entrevista com o Vampiro", "Colateral" e "No Limite do Amanhã ", dirigidos respectivamente por Cameron Crowe, Steven Spielberg , Neil Jordan , Michael Mann e Doug Liman. Filmes onde o talento de Cruise é explorado até o último frame, onde seu trabalho como produtor é marcante mas, não tão pesado como nessa adaptação de "A Múmia". E, podemos dizer,  que esse projeto é o seu momento "As Loucas Aventuras de James West( Wild Wild West, EUA, 1999) " de pura megalomania...


Tom Cruise é talentoso e a sua franquia “Missão Impossível” está indo a todo vapor, assim como a franquia “Jack Reacher” , seu novo filme ,"Feito na América" também é um bom exemplo dissoo mesmo não podemos dizer desse novo filme. Ele parece totalmente desconfortável nessa mistura terror/ comédia / ação / aventura. Sua atuação, especialmente quando está ao lado de Jake Johnson está fora de sintonia, Cruise parece não estar curtindo fazer o filme. E, Johnson, que geralmente é um cara engraçado, parece estar trabalhando sob uma ordem de proibição para evitar que roube cenas do Cruise. Aliás, esse é um grande problema do filme, forçar a barra com a interação dos dois, em certos momentos chega a ser óbvio que tentaram fazer uma referencia a química entre David Kessler e Jack Goodman, personagens de “Um Lobisomem Americano em Londres”, clássico de John Landis. Só que, aqui, não funciona. Como foi dito, Cruise e Johnson não tem química e as cenas soam forçadas.

Cruise e Jake

Sofia Boutella faz o que pode com a sua múmia, o personagem, infelizmente não foi bem escrito e aqui ela parece ser uma máquina erótica fixada em Tom Cruise e não mete medo. Uma pena, já que a atriz vinha numa crescente fazendo ótimos trabalhos em filmes como “Star Trek : Sem Fronteiras” e “ Kingsman : Serviço Secreto”. Já Annabelle Wallis, também tem pouco a oferecer com uma personagem que é tão mal escrita como a personagem título, tudo que resta a atriz , é ser a dama em perigo e ser o interesse amoroso do protagonista. Aliás , em um ano onde “Mulher Maravilha” mostrou a coragem, a força, o vigor e o valor das mulheres, o roteiro do novo “A Múmia” chega a ser uma afronta.


A bela múmia Sofia Boutella

Com uma direção de arte bem interessante (reparem na tumba de Ahmanet ou nos artefatos do Dr. Dr.Jekyll) a fotografia deixa a desejar em diversas cenas do longa , não oferecendo nada de novo. No final, o novo filme da "Múmia"( o remake do remake ), é um típico filme do Tom Cruise ( só que no mal sentido). Quer ver cena da corridinha do herói ? Tá lá. Quer ver cena de avião? Tá lá. Quer sorrisinho irônico do herói? Tá lá. Quer ver herói "descamisado"? Tá lá. Quer ver herói beijando mocinha e vilã? Tá lá. Quer ver cena de ação? Putz, tem várias.


Tá tudo lá, só não tem uma boa história. Ao menos, a Universal confirmou que o filme de 1999 está no mesmo universo desse novo filme. No final, bom... É como eu disse; é um típico filme do astro, mas da pior maneira possível. O inicio do tal "Dark Universe" começou mal...


🎬 :★★

PS: Esse é um texto que expressa a opinião de um cinéfilo, de um espectador, não é uma crítica profissional aprofundada sobre o filme.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Muito bom artigo. A verdade Sofía Boutella me surpreendeu no seu papel em A Múmia. Ela é excelente! Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo muita evolução, mostra personagens com maior seguridade e que enchem de emoções ao expectador. É uma atriz preciosa que geralmente triunfa nos seus filmes. Recém a vi no trailer de Fahrenheit 451 e parece incrível. Recomendo que o vejam, já vai passar na TV. Vi o trailer e parece que realmente vale a pena todo o trabalho que a produção fez, cada detalhe faz que seja um grande filme. Já estou esperando o filme, seguro será um sucesso.

    ResponderExcluir